quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Parentes de irmãs achadas mortas no RJ serão ouvidos pela polícia

Parentes das irmãs achadas mortas em Belford Roxo após sair de uma casa de shows vão prestar depoimento nesta quarta-feira (27) na Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). A Polícia Civil também analisa imagens de câmeras de segurança que possam ajudar nas investigações. Os corpos de Jéssica Oliveira de Souza, de 22 anos, e da estudante Ariane Oliveira de Souza, de 19, foram encontrados neste domingo (24) com marcas de tiros e sinais de violência sexual na comunidade Gogó da Ema, após saírem de uma boate em Nova Iguaçu.

Segundo o irmão das vítimas Diego Oliveira, as duas estavam sempre juntas e costumavam ir à Rio Sampa, na Via Dutra – que liga o Rio a São Paulo. No entanto, quando saiu para trabalhar na madrugada de segunda-feira (25), percebeu que elas não haviam chegado em casa. De acordo com Diego, vizinhos disseram terem ouvido gritos de mulheres nas proximidades do local onde as vítimas moravam.
"Eu vi no Facebook que tinham encontrado dois corpos de duas garotas abraçadas. Logo pensei que eram elas, porque elas são muito unidas. Elas curtiam mais festas em casa. Mas depois começaram a curtir essa Rio-Sampa. Elas sempre iam, mas sempre voltavam", afirmou ele, que, após ver a foto das irmãs na rede social, disse querer esquecer a imagem, porque gostaria de lembrar das irmãs no cotidiano.
De acordo com o delegado-titular Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Pedro Henrique Brandão Medina, duas linhas de investigação estão sendo fortalecidas. No entanto, elas não podem ser reveladas para não atrapalhar o trabalho da polícia. Ainda segundo o delegado, os últimos passos de Jéssica e Ariane estão sendo reconstruídos com base nos depoimentos. Um dos fatos relatados é que as duas teriam tido os telefones celulares roubados antes de entrar na casa de shows.
Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, uma perícia de local foi realizada e os agentes aguardam o resultado do laudo da necropsia. Jéssica Oliveira de Souza deixou um filho de 8 anos, que já sabe do crime, segundo a família.

Fonte: G1

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Norte-coreanos invadem salão em Londres para reclamar de anúncio com Kim Jong-un

O pôster, pregado na janela do salão M&M Hair Academy no bairro de Ealing, no oeste da cidade, trazia, embaixo da foto, os dizeres "Bad Hair Day?" ("Dia de Cabelo Feio?" em português).
O barbeiro Karim Nabbach pediu que os representantes da embaixada deixassem o local; o gerente do estabelecimento procurou a polícia.

A polícia de Londres, a Scotland Yard, disse que ouviu todas as partes envolvidas no caso, mas que não houve registro de queixa.
O salão colocou o cartaz no dia 9 de abril, e, no dia seguinte, apareceram dois homens se dizendo oficiais da embaixada e exigindo para falar com o gerente, Mo Nabbach.
Karim Nabacch disse: "Colocamos os cartazes com oferta em abril de cortes de cabelo para homens. Obviamente no noticiário corria a história de que na Coreia do Norte todos os homens tinham que adotar o mesmo corte de cabelo (o mesmo do líder, Kim Jong-un)".
"Não sabíamos que a embaixada da Coreia do Norte ficava a 10 minutos a pé do salão. No dia seguinte, eles apareceram aqui e pediram para falar com o gerente".
"Ele (o gerente) disse a eles 'veja, isso aqui não é a Coreia do Norte, é a Inglaterra, vivemos numa democracia; peço que vocês saiam do meu salão'".
Segundo os funcionários, eles não tiveram mais problemas após o incidente e o anúncio acabou se tornando em atração turística da região.
Segundo Karim, vários fregueses acharam o anúncio "hilário". Nenhum freguês pediu por um corte semelhante ao de Kim Jong-ung.
No mês passado, a Radio Free Asia, rádio independente - financiada pelo governo americano - que transmite para países do Sudeste e Leste Asiático, reportou que uma norma tinha tornado obrigatório o corte de cabelo do líder norte-coreano entre os jovens universitários do país.
Fonte: BBC

Coreia do Sul usa luz especial para buscar sobreviventes de naufrágio

Mergulhadores de um grupo das forças especiais sul-coreanas inspecionavam nesta quarta-feira (16) com a ajuda de uma iluminação especial a balsa que naufragou na Coreia do Sul em busca de sobreviventes. A embarcação com 459 pessoas a bordo virou na costa meridional do país. 

Já é noite na Coreia do Sul, o que torna os trabalhos mais complicados.
O governo local confirmou a morte de quatro pessoas, incluindo um estudante e uma mulher que integrava a tripulação, mas o balanço de vítimas pode aumentar consideravelmente. No total, 291 pessoas estão desaparecidas.
A maior parte dos passageiros era de estudantes do ensino secundário que estavam de férias.
"Temo que existam poucas possibilidades de encontrar com vida os que ainda estão presos dentro da balsa", disse Cho Yang-Bok, um dos coordenadores das tarefas de resgate.
Em um primeiro momento as autoridades anunciaram que 368 pessoas haviam sido resgatadas, mas depois retificaram a informação e confirmaram o resgate de 164, explicou Lee Gyeong-Og, vice-ministro de Segurança e Administrações Públicas.
As autoridades temem que centenas de pessoas tenham ficadas presas na balsa, que virou e afundou perto da ilha de Byungpoong em apenas duas horas após o envio do primeiro sinal de socorro, às 9h (21h de Brasília, terça-feira).
Imagens aéreas exibidas na televisão mostraram os passageiros com coletes salva-vidas em botes infláveis. Alguns escorregavam pelo casco da embarcação, totalmente inclinada, enquanto outros eram resgatados por pequenos barcos de pescadores.
A balsa seguia para a ilha de Jeju, um complexo turístico muito popular. Entre os passageiros estavam mais de 300 estudantes e 14 professores de uma escola secundária de Ansan, uma cidade ao sul da capital Seul, que estavam de férias.
Pelo menos 78 resgatados eram estudantes.
"Sinto uma dor profunda ao ver que estudantes que estavam em uma viagem sofreram este acidente trágico. Quero que coloquem toda a energia em sua missão", disse a presidente Park Geun-Hye durante uma visita ao centro de coordenação de emergências em Seul.
Os pais dos alunos se reuniram na escola de Ansan à espera de notícias e tentavam entrar em contato com os filhos.
Várias pessoas foram resgatadas por barcos de pesca e navios mercantes que estavam na região antes da chegada da guarda costeira.
Também participaram no resgate mergulhadores e forças especiais da marinha.
"Há muito barro na água e a a visibilidade é muito escassa", disse o vice-ministro.
A balsa, uma embarcação de 6.825 toneladas, zarpou do porto de Incheon na terça-feira à noite, mas começou a registrar problemas depois de percorrer 13 milhas (20 km), diante da ilha de Byungpoong.
As causas do acidente são desconhecidas, mas alguns sobreviventes afirmaram que a balsa parou de repente, como se tivesse encalhado, apesar das condições meteorológicas favoráveis.
O barco inclinou mais de 45 de graus e em seguida virou quase por completo. Apenas uma pequena parte ficou de fora da água.
A temperatura da água era de 12 graus centígrados.
O tráfego marítimo entre a Coreia do Sul e suas múltiplas ilhas é muito intenso e os acidentes são raros, mas em outubro de 1993 quase 300 pessoas morreram no naufrágio de uma balsa.

Fonte: G1

quarta-feira, 9 de abril de 2014

PADRASTO TARADO É ESTUPRADO NA PRISÃO EM BRASÍLIA DF


Um caso de um padrasto que estuprou o enteado de 1 ano e 8 meses que aconteceu no fim de março deixou a população de Brasília indignada. O professor de jiu-jitsu Daryell Dickson Menezes Xavier espancou e estupro o enteado no fim de março em Taguatinga cidade satélite de Brasília. 

No dia 1º de abril o estuprador se apresentou com advogados a polícia foi ouvido e esta cumprindo prisão temporária de 30 dias. A mãe da criança publicou vários desabafos aqui no facebook vejam, "Agora nesse momento eu abro minha boca a todos! Não amenizei minha dor, mas comecei a fazer justiça à minha própria paz, ao meu próprio coração. Cara a cara com o assassino do meu neném! Eu o repudio!", escreveu. Ela ainda disse, "Eu entreguei minha vida e a do meu filho pra esse homem cuidar, eu acreditei no amor e na bondade dele, eu o apoiei, eu o amei, e aceitei seus defeitos sem saber que ele era algo muito pior, minha família inteira se encantou por ele, fomos acolhidos e acolhemos ele e seu filho", relata Gabrielle Estrela no texto. Fotos divulgadas hoje mostram o autor sendo medicado após ter sido estuprado e segundo informações ainda com pontos no fiofó ele foi abusado de novo na cadeia por presos revoltados com ele... Na delegacia, Daryell disse a ex esposa que estava possuído pelo demônio quando isso aconteceu. Apesar dele ter falado isso e agentes terem ouvido isso não pode ser acrescentado ao depoimento somente se ele declarar por escrito... Informações deram conta que na cela onde estava ele disse que era professor de jiu jitsu e que se caso alguém fizesse graça poderia se dar muito mal, ao que parece uns 20 juntarem nele e fizeram um estrago no autor. 

Fonte: combatepolicial.com

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Empresa cria arma inteligente; saiba como funciona

Uma fabricante de armas alemã começou a vendar suas primeiras unidades da smartgun (arma inteligente), a Armatix iP1, no estado americano da Califórnia. Segundo o site Business Insider, a arma –  uma pistola calibre .22 com capacidade de 10 tiros – funciona apenas com o uso de um relógio, o iW1 Active Rfid.
O relógio usa um processador que também está dentro da arma, os dois se comunicam; se o relógio não estiver perto da arma ela não dispara. Quando o relógio está próximo da arma aparece uma luz verde, indicando ao seu dono que pode efetuar o disparo. O iW1 Active Rfid também pode funcionar com senha (PIN Code) impedindo seu uso e pode travar a arma por timer, selecionando o tempo que ela não pode disparar.
Está não é a primeira investida em smartguns. O investidor Ron Coway ofereceu em janeiro um prêmio de US$ 1 milhão para quem criasse uma inovação em tecnologia dos dispositivos. A NRA (Associação Nacional de Rifles) se posicionou contra este tipo de arma por usar “tecnologia cara” antes de seu uso. 
Fonte: Terra