quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reconstrução do rosto de Oziel é processo 'lento e difícil', diz médico

A reconstrução do rosto de Oziel de Oliveira, que perdeu metade da face após um tumor, deve ser um processo lento, composto por diversas cirurgias, segundo o médico responsável pela equipe que trata o jovem.
Oziel ficou conhecido após publicar um vídeo na internet pedindo ajuda financeira para o tratamento médico. O jovem de 22 anos precisa reconstruir o rosto, bastante afetado por um tumor na boca. Depois de arrecadar mais de R$ 100 mil em doações, ele foi sequestrado no último domingo (22), em Lucas do Rio Verde (MT), e libertado pela polícia na manhã de segunda.
O jovem tinha 11 anos quando foi diagnosticado com o câncer. O tumor foi removido e não representa nenhuma ameaça para a vida de Oziel, mas ele perdeu ossos e "tecidos moles" – termo médico que descreve partes como a gengiva e a mucosa interna da boca.
Desde então, Oziel junta dinheiro para as operações que tentarão recuperar a estrutura de sua face. Paulo Leal, cirurgião bucomaxilofacial do Instituto Face a Face, em São Paulo, líder da equipe que cuida do jovem, explicou que o processo é "lento" e "muito difícil".
Serão feitas várias cirurgias, mas ainda não é possível prever quantas, porque isso depende da reação do paciente a cada operação. Ainda não há data para a primeira delas.
A ideia da equipe médica é retirar ossos e pele de outras regiões do corpo para reconstruir as partes do rosto perdidas no câncer – placas e parafusos de titânio também podem ser usados. No entanto, Leal afirma que ainda faltam tantos passos para a reconstrução que não é possível entrar em detalhes sobre quais técnicas podem ou não funcionar nesse caso.
Além de cirurgiões bucomaxilofaciais, a equipe que cuida do caso conta ainda com especialistas em cirurgia plástica e cirurgia de cabeça e pescoço.
“O processo cirúrgico não é ciência exata”, disse o médico ao G1. Por isso, não é possível dar uma previsão de tempo, nem mesmo do sucesso da reconstrução. “É um processo muito difícil, a gente vai fazer a reconstrução da melhor maneira possível”, disse Leal.
“O sequestro não mudou em nada a programação. A gente não pode acelerar o processo”, comentou ainda o médico.
'Caso desafiador'
Gabriel Pastore, diretor do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, que não faz parte da equipe, classificou o quadro de Oziel como “um caso desafiador”.
Para Pastore, a cirurgia reparadora pode ter diferentes funções. “A expectativa aqui é devolver função”, analisou, pensando mais no conforto do paciente para comer e falar, por exemplo, do que na questão estética. “Aos poucos, você vai trazendo a autoestima dele de volta”, apontou.
O médico afirmou ainda que, além dos enxertos de ossos e tecidos moles, o caso pode requerer a aplicação de uma prótese bucomaxilofacial, que serviria para substituir o nariz e o lábio superior de Oziel.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não deixe de comentar !!!!!!