sábado, 12 de maio de 2012

Força Aérea destrói pista clandestina de pouso em Roraima


Dois caças Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) bombardearam uma pista clandestina de pouso e decolagem no meio da selva amazônica, a cerca de 200 quilômetros de Boa Vista, às 12h deste sábado (12). A pista destruída tinha 280 metros de comprimento e 15 metros de largura.
Foram usadas quatro bombas para destruição da pista, que chegou a abrir crateras de aproximadamente 10 metros de diâmetro de largura e três metros de profundidade. O ponto exato do ataque da FAB foi identificado durante um sobrevoo feito em 11 de abril e registrado por imagens em infra-vermelhos.
Segundo a FAB, os dois caças se aproximaram da pista a 1,2 mil metros de altitude e iniciaram um mergulho até 600 metros, altitude considerada a ideal para o bombardeio. As bombas de 230 quilos atingiram o solo a uma velocidade de 550 km/h. "O ataque foi preciso. Usamos uma ténica clássica de disparo, inclinando a aeronave para o alvo. Há várias maneiras de fazermos o disparo e escolhemos essa como a ideal para a ação", disse o tenente-coronel Mauro Bellintani, comandante do Esquadrão Escorpião, que efetuou a destruição da pista.
Bellintani disse ainda que a operação demorou menos de duas horas para ser concluída desde o momento em que os pilotos foram acionados para a missão. "Da decolagem até o reconhecimento do alvo e disparo, a missão durou 1h35. Decolamos da Base Aérea de Boa Vista e voamos sentido Leste até o alvo. Contamos com apoio de helicópteros, que monitoraram a ação."
Tempo real

A ação foi acompanhada em tempo real pelo Comando da Força Aérea na Operação Ágata 4, que está em Manaus. "Esta pista, que era usada pelo garimpo irregular e ajudava a causar danos ambientais naquela região. Agora está interditada. Nenhuma avião consegue pousar ali", disse o brigadeiro-do-ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da FAB na operação, em nota.

De acordo com a FAB, o local ao redor da pista clandestina foi desmatada por garimpeiros, que atuam na região para a exploração de ouro. O Rio Catrimani está contaminado por causa da utilização de mercúrio no processo de garimpagem do minério.
A Operação Ágata 4 conta com apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai), Polícia Federal (PF) e o Exército Brasileiro.
Fonte: G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não deixe de comentar !!!!!!